As crianças e seus medos: como ajudar?

Quem tem medo do Lobo Mau, Lobo Mau, Lobo Mau? E do escuro? E de palhaço?

Ter medo é um bom sinal, é o primeiro passo para a criança se dar conta da sua existência. Reconhecendo a si própria, ela começa a percorrer os caminhos, para tornar-se independente dos pais. Isso dá medo. É importante que a escola e os pais estejam alinhados nesse momento. Existem dois tipos de medo: os reais, instintivos, cuja função é proteger dos perigos, e os irreais, criados pela mente e que, muitas vezes, impedem que o indivíduo de explorar todo o seu potencial.

Alguns dos medos mais comuns na primeira infância

  • Até 1 ano, a novidade pode causar desconforto: medo de pessoas estranhas, medo de ficar longe dos pais,…
  • 2 anos, os sons fortes causam temores: medo de trovões, barulhos fortes, criaturas imaginárias,…
  • De 3 a 4 anos, cresce o imaginário: medo de pessoas fantasiadas, escuro, monstros e criaturas fantasiosas, insetos e também de ficar sozinho,…
  • 5 anos, os medos começam a ficar mais concretos: medo de se machucar, de ladrão, de cachorro e de se perder dos pais,…
  • De 6 a 7 anos, começam a diferenciar melhor a realidade da fantasia: medo de ficar sozinho, fantasmas, temporais,…

Especialmente na infância, os medos irreais podem adquirir tamanhos aumentados por uma imaginação fértil, que ainda não é capaz de distinguir totalmente a fantasia da realidade.
Os pequenos costumam acreditar, no seu imaginário, que realmente há um monstro no guarda-roupas, por exemplo. É importante que os adultos não demonstrem desdém diante do temor, mas respeitem esse sentimento e sejam solidários, apontando que ter medo é natural e que todos já passaram por isso em algum momento da vida.

Literatura também pode ser uma aliada

A pedagoga Vânia Rodrigues, coordenadora da Educação Infantil do Instituto Nossa Senhora da Piedade, explica como a literatura também pode ser uma aliada nessa questão. “As histórias infantis trabalham com muitos elementos fantasiosos que ajudam a criança a identificar seus medos de maneira bem sutil”.

A escola e a família devem estar em sintonia, para dar o acolhimento necessário, para que a criança entenda que ela é importante. “Sentindo-se acolhida, ela desenvolve a confiança e supera seus medos”, conclui Vânia.

Leia também:

Inscrição para matrículas de alunos novos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.

Fale conosco.
Fale com a gente!
Olá, em que posso lhe ajudar?